sexta-feira, 24 de julho de 2015

Big Trail - alguns modelos no Brasil

          Quanto comecei no motociclismo fui direto para o estilo custon, curtia e curto motoclubes, é comum nesses grupos a opção pelas custons, mas, no ano de 2013 eu realizei uma viagem para Argentina e Chile numa Yamaha Midnight Star, foi uma viagem excelente, a moto se comportou muito bem, ocorreram desgastes normais numa viagem de 7.500 km, porém, nessa mesma viagem eu percebi que a maioria das motocicletas que passavam por mim eram big trail, então comecei a olhar com mais atenção para esse estilo.
Midnight & Vstrom, dois estilos diferentes - A Midi
infelizmente foi embora logo que peguei a Vstrom.
Na foto meu pai Francisco Boschini - faleceu em 2014.

          Nessa mesma viagem eu já comecei a programar uma outra, um pouco mais longa, visitando além da Argentina e Chile, programei também passar por Bolivia e Peru. Eu estava curioso em andar numa estrada de rípio. Em meu retorno ao Brasil já comecei a pesquisar as big trail, adquiri uma  Suzuki Vstrom DL 1000, a moto era de um cliente, eu experimentei e gostei.

          A Vstrom DL 1000, devido ao seu peso e não possuir uma roda raiada, não é a ideal para enfrentar terrenos arenosos ou com muitas pedras, mas ainda assim, realizei os 10.000 KM passando pelo trecho de Calama (CHI) e Uyuni (BOL) sem apresentar nenhum problema, foi muito bom.

          Comparando as duas viagens realizadas, posso afirmar que viajar numa big trail é menos cansativo, isso se deve à forma como a gente fica acomodado nas motos, nas custons você viaja numa posição de "cadeira", mais sentado, então qualquer imprevisto de buraco suas costas irão sentir as dores. Já nas big trail a posição é um pouco mais em pé, então você consegue eliminar parte do impacto forçando um pouco nas pernas.

          No Brasil existem diversas marcas e modelos de Big Trail, na sequencia eu coloco algumas pesquisas realizadas de cada modelo com as suas especificações técnicas, espero que curtam !!



BMW

BMW R 1200 GS Adventure

          Um dos principais nomes da categoria, a BMW R 1200 GS tem 125 cv de potência, extraídos de um motor bicilíndrico. A moto se destaca pela farta lista de equipamentos, que vão de aquecimento da manopla a controle de estabilidade e piloto automático

          Vinda da Alemanha, a recém-chegada R 1200 GS Adventure adaptou alguns aspectos estéticos da atual versão da bigtrail convencional e ficou parecida com um veículo militar. Entretanto, seu maior trunfo é o novo motor boxer de dois cilindros opostos, 1.170 cm³ e refrigeração líquida, já presente no modelo standard. Além dos 125 cv (a 7.750 rpm), as suspensões 20 mm mais altas e a distância livre do solo 115 mm maior a deixam mais apta para terrenos acidentados -- característica reforçada pelas rodas com aros entrelaçados, que substituem a liga leve, e pneus sem câmara. Com tanque de 30 litros -- 10 l a mais que no modelo convencional --, a aventureira bávara também favorece longas viagens. No quesito tecnologia, o destaque vai para a suspensão semiativa Dynamic ESA e os cinco modos de pilotagem, que trabalham em conjunto com o controle de tração (ASC) e o sistema ABS, que pode ser desligado. A R 1200 GS Adventure pesa 260 kg .




Motor: 4 tempos / 2 cilindros opostos / 8V radiais / 1170 cc / 2 velas por cilindro / refrigerado a ar
Alimentação: injeção eletrônica digital
Ignição: eletrônica
Partida: elétrica
Diâmetro x curso (mm): 101 x 73
Taxa de compressão: 12:1
Potência (cv a rpm): 100 a 7750
Torque (mkgf a rpm): 12,2 a 6000
Câmbio: 6 marchas, transmissão final por cardã
Chassi: dois conjuntos tubulares em aço, motor estrutural
Suspensão Dianteira: articulada BME Telelever, 190 mm de curso, com 5 ajustes mecânicos Traseira:monobraço, com link, mola e amortecedor regulável eletronicamente por botão no punho
Freios Dianteiro: disco flutuante duplo de 305 mm, com pinça fixa de 4 pistões opostos; ABS opcionalTraseiro: disco simples de 265 mm e pinça flutuante de 2 pistões; ABS opcional
Pneus Dianteiro: 110/80-19 Traseiro: 150/70-17
Dimensões
Comprimento (cm) 221
Altura/largura (cm) 145 / 93,5
Entre-eixos (cm) 150,7
Peso (kg) 203
Vão-livre (cm) n/d
Altura do assento (cm) 85 a 87
Tanque (l) 20
Desempenho
0-100 km/h (s) 4,3
0-200 km/h (s) 20,1
0-1000 m (s / km/h) 24/205
De 40 a 70 km/h em 3ª (s) 1,8
De 60 a 90 km/h em 4ª (s) 2,1
De 80 a 110 km/h em 5ª (s) 2,9
De 100 a 130 km/h em 5ª (s) 4
Máxima na pista de testes (km/h) 210,5
Velocidade real a 100 km/h (km/h) 95,5
Consumo esportivo (km/l) 18,9
Consumo econômico (km/l) 16,6



TRIUMPH

Triumph Tiger Explorer 1200 XC

          A Tiger Explorer 1200 reúne visual rústico e muita eletrônica embarcada. Disponível desde o final de 2013, a Tiger Explorer XC é a versão mais aventureira da bigtrail da Triumph, embora conserve o mesmo curso de suspensões e o tanque de 20 litros da versão standard. A seu favor, a moto traz a força do motor tricilíndrico de 1.215 cm³, capaz de gerar até 137 cv (9.300 rpm) e 12,3 kgfm de torque (6.400 rpm). Rodas de alumínio raiadas, faróis de neblina e protetores de mão são outros diferenciais em relação ao modelo convencional. Completa o conjunto o sistema de monitoramento de pressão dos pneus, freios ABS desligáveis e o controle de tração. A moto pesa 267 kg .




Motor

3 cilindros paralelos, refrigeração líquida, 12V DOHC, 1 215 cc, 137 cv a 9 300 rpm, 12,1 mkgf a 6 400 rpm

Câmbio

6 marchas

Dimensões

Entre-eixos, 153 cm; peso em ordem de marcha, 259 kg; altura do assento regulável em 83,7 e 85,7 cm

Freios

Disco duplo de 305 mm e pinça de 4 pistões na dianteira, de acionamento hidráulico, e disco simples de 282 mm com pinça de pistão duplo na traseira, assistidos por ABS

Suspensões
Garfo telescópico invertido de 46 mm e 190 mm de curso na dianteira e amortecedor com ajuste de pré-carga de mola e retorno com 194 mm de curso na traseira


Triumph Tiger 800 XC


          São 95 cv em um porte ligeiramente inferior à Tiger Explorer 1200. A Tiger 800 XC é uma opção com pegada mais aventureira do que as suas rivais, a nova Tiger 800 foi projetada para proporcionar ao piloto tudo o que ele precisa, independente do seu estilo de pilotagem. Na estrada ou fora dela, o novo estilo da Tiger, sua posição de condução, dirigibilidade e motor potente oferecem ao piloto tudo o que é necessário para aproveitar cada momento. As versões XRx e XCx trazem mais tecnologia para a categoria, fornecendo aos pilotos equipamentos projetados especialmente para cada uma das versões.

          A motocicleta da Triumph incorpora uma tecnologia que foi desenvolvida para otimizar a pilotagem, tanto na estrada como no off-road. Isso inclui uma série de recursos de ponta, como o sistema de aceleração eletrônico “Ride by Wire”, freio ABS comutável, controle de tração, diferentes mapas de aceleração, modos de pilotagem selecionáveis e piloto automático, entre outros itens que colocam a nova Tiger 800 na liderança do quesito tecnologia deste segmento, estabelecendo novos parâmetros de segurança, desempenho e conforto.

          O sistema ABS comutável é padrão em todos os modelos da linha Tiger 800 e utiliza a mais avançada tecnologia para prevenir o travamento das rodas, garantindo segurança máxima e controle em todas as condições de terreno. Nestas versões, o sistema ABS pode ser ligado ou desligado, de acordo com a necessidade do usuário. Os pilotos podem personalizar suas escolhas para o sistema de freios ABS através dos três modos de pilotagem avançados.

         O sistema Triumph de Controle de Tração (TTC) está presente nas duas versões. Este recurso sofisticado previne o giro inesperado da roda traseira, cortando o torque do motor para evitar a perda de aderência lateral, proporcionando máximo controle tanto na estrada como em terrenos off-road. O piloto pode selecionar a sua configuração de TTC para “ligado” ou “desligado”. Os motociclistas podem configurar suas preferências do controle de tração em conjunto com os ajustes dos três modos de pilotagem, aumentando ainda mais a praticidade e a versatilidade da motocicleta.




Motor

tricilíndrico em linha / 12 válvulas / comando DOHC / 799 cc / refrigeração a líquido
Alimentação: injeção eletrônica sequencial multiponto
Ignição: eletrônica digital
Partida: elétrica
Diâmetro/curso (mm): 74 x 61,9
Taxa de compressão: n/d
Potência (cv a rpm): 95 cv a 9300
Torque (mkgf a rpm): 8 a 7850
Câmbio
6 marchas, transmissão final por corrente selada
Chassi
Quadro: treliça de tubos de aço
Suspensão
Dianteira: telescópica hidráulica invertida Showa, com 45 mm de diâmetro e 22 cm de curso
Traseira: monoamortecedor Showa regulável em pré-carga, compressão e extensão, com 21,5 cm de curso
Freios
Dianteiro: 2 discos de 308 mm de diâmetro e pinças de 2 pistões
Traseiro: disco simples de 255 mm de diâmetro e pinça de 1 pistão
Pneus
Dianteiro: 90/90-21
Traseiro: 150/70-17
Dimensões
Comprimento (cm) 221,5
Altura/largura (cm) 139 / 86,5
Entre-eixos (cm) 154,5
Peso em ordem de marcha (kg) 215
Vão-livre (cm) n/d
Altura do assento (cm) 84,5 / 86,5
Tanque (l) 19
Desempenho
0-100 km/h (s) 4,6
0-200 km/h (s) n/d
De 40 a 70 km/h em 3ª (s) 2,3
De 60 a 90 km/h em 4ª (s) 3
De 80 a 110 km/h em 5ª (s) 3,7
De 100 a 130 km/h em 5ª (s) 5,1
Máxima na pista de testes (km/h) n/d
Velocidade real a 100 km/h (km/h) 95,5
Consumo esportivo (km/l) 10,5
Consumo econômico (km/l) 26,2


HONDA


Honda VFR 1200X Crosstourer


          A big trail da Honda se destaca pelo cãmbio, um automatizado de dupla embreagem, o que garante um conforto extra ao se usar a moto. Tradição e tecnologia são os principais trunfos desta motocicleta. O coração da Crosstourer é um motor V4, tradicional arquitetura que a marca emprega com sucesso em outros modelos, principalmente esportivos. Com 1.236,7 cm³ de capacidade, o propulsor é capaz de gerar até 129,2 cv, com torque máximo de 12,8 kgfm (6.500 giros). Na parte eletrônica, o diferencial fica por conta do câmbio de dupla embreagem (DCT), que pode ter trocas de marcha feitas por borboletas nos manetes ou de forma automática -- para viajar, o câmbio se revela um inusitado aliado. Controle de tração e ABS também fazem parte do cardápio eletrônico, mas embora tenha rodas raiadas, protetores de mão e monobraço com transmissão final por eixo-cardã, incursões pesadas no off-road estão descartadas. 





MotorV4 a 76 graus / SOHC 16V / 1236,7 cc / refrigeração líquida

Alimentação: injeção eletrônica multiponto 
Ignição: eletrônica digital
Partida: elétrica

Diâmetro x curso (mm): 81 x 60

Taxa de compressão: 12:1

Potência (cv a rpm): 127,4 a 7 750

Torque (mkgf a rpm): 12,8 a 6 500

Câmbio


6 marchas, mudanças automáticas ou manuais, transmissão final por cardã

Chassi

Quadro: dupla viga de alumínio com motor integrado à estrutura
Suspensão
Dianteira: garfo telescópico hidráulico 43 mm de diâmetro, 16,5 cm de curso

Traseira: monoamortecida com links, a gás, ajustável em extensão e pré-carga da mola 
Freios

Dianteiro: discos duplos de 310 mm, C-ABs 
Traseiro: disco simples de 276 mm, C-ABs 
Pneus

Dianteiro: 110/80-19

Traseiro: 150/70-17
Dimensões
Comprimento (cm)
228,5
Altura/largura (cm)
133,5/91,5
entre-eixos (cm)
 159,5
peso em ordem de marcha (kg) 275 (285 com DCT) 
Vão-livre (cm) 18 Altura do assento (cm) 85 
tanque (l) 21,5


TRANSALP



          A Transalp tem bom desempenho no asfalto. O motor desenvolve 60 cv de potência, suficientes para uma viagem tranquila. Pode ser equipada com freios ABS.

          Com motor SOHC bicilíndrico em V a 52º, quatro tempos, oito válvulas, a XL 700V Transalp tem capacidade cúbica de 680 cm3, além de ser alimentada por injeção eletrônica PGM-FI ( Programmed Fuel Injection), arrefecido a líquido. O propulsor gera potência máxima de 60 cv a 7.750 rpm, e torque máximo de 6,12 kgf.m a 6.000 rpm. Com isso, o motor oferece maior potência, especialmente em médias rotações, com grande capacidade de aceleração e respostas mais rápidas.

          Do tipo berço duplo de aço, o chassi garante equilíbrio, peso reduzido e rigidez ao modelo. Com relação ao conjunto de suspensões, apresenta, na dianteira, garfo telescópio com 200 mm de curso. Na traseira o conjunto é monoamortecido com Pro-Link.

          A XL 700V Transalp é equipada com roda 19’’ na dianteira, com aro em alumínio e pneu de configuração 100/90, o que garante facilidade de pilotagem e agilidade à motocicleta no uso urbano. Já a traseira, utiliza pneu radial 130/90, oferecendo conforto e segurança, principalmente nas curvas em alta velocidade.




Motor: 4 tempos / V2 / OHC / 680,2 cc / refrigerado a água 
Alimentação: injeção eletrônica 
Ignição: eletrônica digital 
Partida: elétrica 
Diâmetro x curso (mm): 81 x 66 
Taxa de compressão: 10:1 
Potência (cv a rpm): 60 a 7750 
Torque (mkgf a rpm): 6,12 a 6000 
Câmbio: 5 marchas, transmissão final por corrente 
Chassi: Quadro: berço semiduplo tubular de aço 
Suspensão Dianteira: telescópica hidráulica, com 20 cm de curso Traseira: monoamortecida, pro-link, regulável 
Freios Dianteiro: disco duplo de 256 mm de diâmetro e pinças de 2 pistões (sem ABS) ou 3 pistões (com ABS)Traseiro: disco simples de 240 mm e pinça de pistão único 
Pneus: Dianteiro: 100/90-19 Traseiro: 130/80-17 
Dimensões 
Comprimento (cm) 225 
Altura/largura (cm) 140,7 / 90,7 
Entre-eixos (cm) 151,2 
Peso (kg) 201/205 (C-ABS) 
Vão-livre (cm) 18,2 
Altura do assento (cm) 83,7 
Tanque (l) 17,5



SUZUKI

Suzuki Vstrom DL 1000


          A versãp renovadada moto foi lançada no final de 2012. Versátil, ela tem boa disposição com seu motor de 67 cv. Um dos destaques é o ABS de série.

          O forte coração da Suzuki V- Strom 1000 ABS é a chave para a sua tremenda versatilidade. O motor bi cilíndrico DOHC em V-Twin 90° de 1037cm3, proporciona fantástica aceleração e torque de sobra além um prazeroso ronco característico de um motor V-Twin.

          A primeira motocicleta da Suzuki com sistema de controle de tração, permite o piloto controlar o acelerador com mais confiança, pois a velocidade das rodas é monitorada e enviada para uma central de controle eletrônico, que controla a entrega de potência da roda traseira em diversas situações de pilotagem para desfrutar de uma viagem de longa distância com menos estresse e mais segurança.

          A V-Strom 1000 ABS concretiza os benefícios de uma compreensiva redução de peso. São oito kg mais leve do que o modelo anterior, assim, o piloto irá usufruir de um desempenho ativo e manuseio ágil.

          Não existe um caminho que a V-Strom 1000 ABS não conquiste. Essa moto faz a viagem da vida perfeita. Conquiste facilmente o tráfego da cidade, assim como as estradas sinuosas nas montanhas. Desbrave novas rodovias. Aguce seus instintos para descobertas em longas estradas que ainda não foram exploradas.






Detalhes:
Estilo:Dual Purpose
Procedência:Importada
Cilindrada:996.0
Potência:98.0
Tanque:22.0
Transmissão:6
Peso Seco:208.0
Tipo Motor:4 tempos
Freio:Disco Traseiro e Dianteiro
Refrigeração:Líquida

YAMAHA

Yamaha XT 1200Z Super Ténéré Deluxe


          O nome Ténéré se refere a uma região do deserto do Saara e significa... "deserto". No entanto, para qualquer motociclista, este nome também é sinônimo de aventura, por conta da linhagem de bigtrails da Yamaha que o adotaram no decorrer dos anos. Hoje, a mais imponente representante da família é a XT 1200Z Super Ténéré Deluxe, que será nacionalizada este ano. Equipada com propulsor de dois cilindros paralelos, de 1.199 cm³, capaz de gerar até 112 cv (7.250 rpm) e torque máximo de 11,9 kgfm (6.000 rpm), a Super Ténéré brasileira terá rodas raiadas, transmissão final por eixo cardã e a conhecida disposição para sair do asfalto. Além do controle de tração e dos modos de pilotagem, ela contará com uma nova suspensão, que poderá ser eletronicamente ajustável. Os freios, que já traziam o apoio do ABS, passarão a contar com tecnologia de frenagem unificada (UBS). 





Motor: 4 tempos / 2 cilindros paralelos em linha / DOHC 8 válvulas / 1199 cc / refrigeração líquida 
Alimentação: injeção eletrônica 
Ignição: dupla ignição 
Partida: elétrica 
Diâmetro x curso (mm): 98 x 79,5 
Taxa de compressão: 11,0:1 
Potência (cv a rpm): 110 a 7250 
Torque (mkgf a rpm): 11,6 a 6000 
Câmbio: 6 marchas, transmissão final por eixo cardã 
Chassi: Quadro: backbone de aço 
Suspensão Dianteira: invertida de 43 mm de diâmetro, totalmente regulável, 190 mm de curso Traseira:monoamortecida, pré-carga da mola e retorno reguláveis, 190 mm de curso 
Freios Dianteiro: disco duplo de 310 mm tipo wave, acionamento hidráulico, com pinça de 4 pistões e sistema ABS unificado Traseiro: disco recortado simples de 282 mm, pinça de pistão único 
Pneus: Dianteiro: 110/80-19 Traseiro: 150/70-17 
Dimensões 
Comprimento (cm)
 225,5 
Altura/largura (cm) 141/98 
Entre-eixos (cm) 154 
Peso (kg) 261 
Vão-livre (cm) 20,5 
Altura do assento (cm) 85/87 
Tanque (l) 23 
Desempenho 0-100 km/h (s) 4 
0-200 km/h (s) n/d 
0-1000 m (s / km/h) 24,4 / 194,3 
De 40 a 70 km/h em 3ª (s) 1,9 
De 60 a 90 km/h em 4ª (s) 2,2 
De 80 a 110 km/h em 5ª (s) 3,1 
De 100 a 130 km/h em 6ª (s) 4,2 
Máxima na pista de testes (km/h) 199,9 
Velocidade real a 100 km/h (km/h) 92,3 
Consumo esportivo (km/l) 13,6 
Consumo econômico (km/l) 26


XT 660R

          XT 660R é um sucesso de vendas da Yamaha. O motor monocilíndrico não é dos mais potentes: são 48 cv. Há, entretanto, freios a disco em ambas as rodas e suspensão traseira regulável.



Motor
4 tempos / monocilindro / 4 válvulas commando OHC / 660 cc / refrigeração líquida
Alimentação: injeção eletrônica
Ignição: eletrônica
Partida: elétrica
Diâmetro/curso (mm): 100/84
Taxa de compressão: 10:1
Potência (cv a rpm): 48 a 6000
Torque (mkgf a rpm): 5,95 a 5 250
Câmbio
5 marchas, transmissão final por corrente
Chassi
Quadro: tubular de aço, estilo Diamond
Suspensão
Dianteira:
 telescópica convencional com 41 mm de diâmetro e 225 mm de curso
Traseira: balança monoamortecida com regulagem de pré-carga de mola e 200 mm de curso
Freios
Dianteiro:
 disco simples flutuante de 298 mm e cáliper de 2 pistões
Traseiro: disco de 245 mm e cáliper de pistão simples
Pneus
Dianteiro:
 90/90-21
Traseiro: 130/80-17
Dimensões
Comprimento (cm) 224,0
Altura/largura (cm) 123/84
Entre-eixos (cm) 150,5
Peso seco (kg) 165
Vão-livre (cm) 21
Altura do assento (cm) 86,5
Tanque (l) 15

Desempenho
0-100 km/h (s) 6,6
0-200 km/h (s) n/d
0-1000 m (s / km/h) 30,5/150,5
De 40 a 70 km/h em 3ª (s) 2,8
De 60 a 90 km/h em 4ª (s) 4
De 80 a 110 km/h em 5ª (s) 5,8
De 100 a 130 km/h em 6ª (s) 5,8
Máxima na pista de testes (km/h) n/d
Velocidade real a 100 km/h (km/h) 94
Consumo esportivo (km/l) 21,2
Consumo econômico (km/l) 25,7



KAWASAKI

Versys 1000

          A Versys 1000 não é a melhor opção para encarar trechos de terra. No asfalto, entretanto, suas qualidades se sobressaem. O motor possui quatro cilindros e 118 cv de potência. Também há controles de tração e freios ABS.




Motor
4 cilindros em linha / 16V DOHC / 1043 cc/ refrigeração a líquido

Alimentação: injeção eletrônica

Ignição: eletrônica digital
Partida: elétrica

Diâmetro x curso (mm): 77 x 56

Taxa de compressão: 10,3:1

Potência (cv a rpm): 118 a 9 000

Torque (mkgf a rpm): 10,4 a 7 700


Câmbio


6 marchas com transmissão final por corrente 

Chassi


Quadro: dupla trave de alumínio


Suspensão

Dianteira: telescópica invertida 43 mm com regulagens de compressão, retorno e pré-carga da mola e 150 mm de curso

Traseira: back-link (monoamortecedor horizontal) a gás com regulagem de retorno, compressão
e pré-carga da mola e 150 mm de curso


Freios

Dianteiro: 2 discos flutuantes de 300 mm
de diâmetro com pinças de duplo pistão

Traseiro: disco simples com 250 mm de diâmetro
e pinça de pistão simples


Pneus

Dianteiro: 120/70-17

Traseiro: 180/55-17

Dimensões
Comprimento (cm) 223,5
Altura/largura (cm)
143,0/90
Entre-eixos (cm)
152,0
Peso em ordem de marcha (kg) 239
Vão-livre (cm) 15,5
Altura do assento (cm) 84,5
Tanque (l) 21

Desempenho

0-100 km/h (s)
4,5
0-200 km/h (s)
7,2
0-400 m (s/km/h) 12/190,0
De 40 a 70km/h em 3a (s) 2,2
De 60 a 90km/h em 4a (s) 2,5
De 80 a 110km/h em 5a (s) 3,7
De 100 a 130km/h em 6a (s) 4,0
Máxima na pista de testes (km/h) n/d
Velocidade real a 100 km/h (km/h) 95
Consumo esportivo (km/l) 12,1
Consumo econômico (km/l) 18,7




DUCATTI


Ducati Multistrada 1200 S Touring

         
          A representante da Casa de Borgo Panigale também não é adepta do off-road. Mas nem por isso a Multistrada S Touring deixa de ser uma boa companheira para quem curte pegar estrada. Equipada com o motor Testastretta 11º de dois cilindros em "L" e 1.198,4 cm³, a moto traz todo o tradicionalismo dos modelos com o famoso comando desmodrômico da Ducati. Com 150 cv (9.250 rpm) e 12,7 kgfm de torque (7.500 rpm), a moto é a mais potente entre nossas cinco aventureiras listadas. Também é a única com proposta assumidamente touring, ao vir de série com duas malas laterais rígidas com capacidade para 58 litros. Entre os itens eletrônicos embarcados estão, claro, freios ABS, controle de tração e ainda a suspensão semi-ativa DSS (Ducati Skyhook Suspension), que ajusta o conjunto automaticamente de acordo com as imperfeições do solo -- "como se a moto estivesse suspensa no ar", nas palavras da marca. 



Motor: 
4 tempos / 2 cilindros em L a 90º / 8 válvulas, comando desmodrômico / 1198,4 cc / refrigeração líquida
Alimentação: 
injeção eletrônica Mitsubishi 
Ignição:
eletrônica 
Partida: elétrica 
Diâmetro x curso (mm): 106 x 67,9 
Taxa de compressão: 11,5:1 
Potência (cv a rpm): 150 a 9250 
Torque (mkgf a rpm): 12,1 a 7500 
Câmbio: 6 marchas, transmissão final por corrente 
Chassi: Quadro: treliça tubular de aço 
Suspensão Dianteira: invertida Marzocchi de 50 mm, multirregulável, com 170 mm de curso Traseira:monobraço de alumínio monoamortecida, amortecedor Sachs multirregulável, com 170 mm de curso 
Freios Dianteiro: disco duplo semiflutuante de 320 mm, com pinça Brembo de 4 pistões e encaixe radialTraseiro: disco simples de 245 mm, com pinça de 2 pistões 
Pneus: Dianteiro: 120/70-17 Traseiro: 190/55-17 
Dimensões 
Comprimento (cm) 215 
Altura/largura (cm) 140 / n/d 
Entre-eixos (cm) 153 
Peso (kg) 189 
Vão-livre (cm) n/d 
Altura do assento (cm) 85 
Tanque (l) 20 
Desempenho 
0-100 km/h (s) 3,3 
0-200 km/h (s)
 11,1 
0-1000 m (s / km/h)
 21,2 / 229,7 
De 40 a 70 km/h em 3ª (s) 2,1 
De 60 a 90 km/h em 4ª (s) 2,4 
De 80 a 110 km/h em 5ª (s) 3,1 
De 100 a 130 km/h em 6ª (s) 2,9 
Máxima na pista de testes (km/h) 233,8 
Velocidade real a 100 km/h (km/h) 93,5 
Consumo esportivo (km/l) 13,2 
Consumo econômico (km/l) 17



Fontes:
O Estadão - Caderno Carros
http://carros.uol.com.br/motos
http://veloxtv.com.br/triumph-apresentou-a-nova-tiger-800/
http://www.cabralmotor.com.br/new/motos/xl-700v-transalp/
www.quatrorodas.abril.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário