quarta-feira, 23 de junho de 2021

Frei - Rogério - SC (Ponte sobre o Rio Correntes)

          A cidade de Frei Rogério esta localizada numa região de suaves colinas com terras ocupadas pelo plantio de alho, feijão e pêra, possui uma população de aproximadamente 3 mil habitantes e abriga a mais autêntica colônia japonesa no Sul do país. 

          Além de sua população cabocla, a cidade r
ecebeu imigrantes japoneses, italianos, poloneses e alemães que chegaram após a Segunda Guerra Mundial. As famílias vindas do Japão se concentraram na comunidade de Celso Ramos, onde o clima é impregnado da tranquilidade dos asiáticos. 

          O nome da cidade reverencia um religioso que apaziguou conflitos durante a Guerra do Contestado. Frei Rogério Nenhaus (1863-1934) era um Padre Alemão e veio para atender o povo da região por volta de 1904, e pertencia a ordem dos padres franciscanos. Ficou conhecido no estado e em todo país como Apóstolo de Curitibanos, porque tinha muita caridade e dedicação com o povo, e condoía-se com o frio que a pobreza no inverno passava. Este padre serviu de intermediários entre o governo, suas forças, suas autoridades e os fanáticos da guerra do Contestado.

         A cidade esta localizada no Vale do Contestado, o qual leva os turistas a uma verdadeira viagem ao passado. A paisagem bucólica, museus e os monumentos da região, revelam uma parte importante da História de Santa Catarina. Palco de revoluções foi nesta região que ocorreu a Guerra do Contestado. Em meio a vales e planaltos que são um convite ao ecoturismo a região ainda se destaca pela sua riqueza multicultural que se reflete na colonização austríaca, japonesa, italiana e alemã.

          Certo, certo, mas o que Expedições Latinas Viagens de Motocicleta foi fazer em Frei Rogério?
          Fomos conhecer a tão falada Ponte sobre o Rio Correntes e também a Salto Rio Correntes.

         A bela paisagem é um convite a viver em harmonia com a natureza, em uma ambiente de paz e tranqüilidade. A cachoeira possui mais de 70 (setenta) metros de extensão e quedas que impressionam e  fazem um forte atrativo turístico. 

          As águas do rio Correntes são responsáveis pelo espetáculo que é a cachoeira. Apreciadores das belezas naturais não podem perder a oportunidade de conhecer essa maravilha que a mãe natureza criou. Suas quedas chegam a 10 metros de altura. 

          Na parte superior da cachoeira forma-se um despraiado onde é possivel a realizaçao de lazer aqüático e pesca. O acesso é um convite à aventura por caminhos sinuosos em uma trilha ecológica repleta de surpresas.

          Mas é só a cachoeira?

          O Salto Rio Correntes também conhecido como “Salto Correntes”, possui uma ponte de madeira, a qual foi construida em 1960, ela divide as cidades de Curitibanos e Frei Rogério. A ponte possui 128 metros em curva e vai seguindo ao lado de uma pequena queda d'agua de uma barragem. 

          E como chegar até a ponte?

          O acesso pela SC-451 até a ponte o acesso é por estrada de chão com cerca de 5km.

          E como chegar em Frei Rogério?

          Acesso pela rodovia SC-451 saindo de Curitibanos. Para quem vem da região norte pela SC-120, existe uma estrada de chão antes de chegar em Curitibanos.  

          O que fazer em Frei Rogério?
  • Parque Sino Da Paz.
  • Museu Casa da Cultura Lydia Frey. 
  • Cachoeira Salto Correntes
  • Ponte sobre o Rio Correntes

          Hospedagem

          Optamos em acampar e então ficamos no Acampamento Tio Vito, fica bem próximo à cachoeria e nosso amigo..... ainda acabou nos levando para um passeio de canoa até a cachoeira. O valor pago foi de R$ 20,00, o local não possui wi-fi e o sinal de celular é fraco. Internet pra que num lugar como esse???

Acampamento Tio Vito - (49) 98860-3032 - Barra do Correntes - Frei Rogério - SC










sexta-feira, 16 de abril de 2021

História de viagem


     Bom, já que estamos impedidos que realizar nossas Expedições Latinas, nossas fronteiras estão praticamente todas fechadas devido à COVID, vamos relembrar histórias de nosso #diáriodeviagens .  

...........La Rioja - 2016


   Hoje pela manhã tive que ir atrás de manutenção da moto, um pequeno furo no radiador, não consegui encontrar alguém que se atrevesse a mexer no Trovão Azul, com a ajuda de um senhor, encontrei uma loja onde adquiri um produto para vedar o furo e ali na rua mesmo eu apliquei sobre o radiador. 

   Moto consertada, saímos de Mendoza por volta das 11 horas da manhã, naquele dia percorremos 598 km até chegar a cidade de La Rioja por volta das 19 horas. 

   Passamos por uma região muito pobre e deserta, no Brasil temos a pobreza mas temos uma terra fértil, aqui na Argentina não, é pura areia - em alguns pontos encontramos crianças vendendo pão na beira da estrada. 

   Em alguns instantes ficamos com medo, o combustível estava indo embora e não havia nenhum sinal que encontraríamos algum posto de gasolina. Em muitos trechos andamos em estradas de areia e não havia sequer agua pelo caminho, apenas areia e sal.

   Chegamos numa cidade ou região que leva o nome de Defunta Correa, a principio estranhamos aquele grande movimento naquela pequena comuna, mas depois percebemos que se tratava de um centro turístico direcionado à fé em uma mulher que ficou conhecida como Defunta Correa, por isso o nome do povoado.

   Haviam  ali haviam muitos devotos, lojas vendendo souvenires  e todos os restaurantes abarrotados de pessoas. Paramos para comer um pollo na grelha, da varanda do restaurante observamos um grupo de motociclistas, eles se aproximaram da gente e então se apresentaram, me lembro apenas do nome de um deles, o Carlos,  entreguei um adesivo a ele e de imediato colocou em seu capacete da Harley, sem frescuras, me senti lisonjeado. Eles eram de um grupo de Harleiros que costumavam sair de Mendoza-ARG . e fazer o conhecido bate e volta até a comuna Defunta Correa.

   Depois do almoço seguimos para La Rioja mais tranquilos, Carlos nos informou que a estrada era tranquila dali para frente e realmente era, pegamos uma grande reta onde foi possível fazer uma viagem a 120km/h

   A Defunta Correa é uma figura religiosa argentina que atrai centenas de milhares de devotos, pela sua história trágica e alegados milagres. O seu culto não está sancionado pela Igreja Católica, como tal não é considerada como santa, nem a sua existência real está devidamente documentada, o que, no entanto, não impediu a propagação da lenda nem a construção de um santuário oficial em Vallecito. 

   Segundo a lenda, María Antonia Deolinda Correa era uma jovem mulher na década de 1840, que decidiu seguir o seu marido quando este foi recrutado para combater na guerra civil. Levando um bebé recém-nascido nos braços, Deolinda Correa seguiu o progresso do exército argentino durante algum tempo.

   Quando atravessou a zona desértica em torno da província de San Juan, os mantimentos e água que levava acabaram e acabou por morrer de sede e exaustão. Algum tempo depois o seu corpo foi encontrado e, para espanto dos viajantes, o bebé estava ainda vivo, supostamente graças ao leite que o corpo da sua mãe continuou a produzir, mesmo depois da morte. O evento foi considerado como milagre divino e o local foi assinalado com um pequeno altar.