terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Hora de trocar a relação

          E eis que chega o momento de trocar a relação da moto, já não adianta mais esticar a corrente e a coroa esta com seus dentes mais finos que assobio de papudo. Na verdade não se pode chegar a esse extremo, são muitos os casos de motociclistas que se acidentaram pelo fato da corrente estar frouxa ou a coroa e pinhão estarem gastos, com isso a corrente escapa e acaba causando o travamento da roda traseira, resultando uma derrapagem, queda e até mesmo um sério acidente.

          O sistema de transmissão, também conhecido como kit relação, deve sempre seguir as revisões que se encontram no manual do proprietário da motocicleta, algumas marcas indicam que a substituição deve ocorrer entre 10 ou 15 mil quilômetros, mas estatísticas mostram que uma relação bem cuidada pode rodar entre 20 a 30 mil quilômetros. 

          A durabilidade da transmissão não depende apenas da marca do conjunto, mas também de fatores como lubrificação, tipo de lubrificante, ajustes periódicos e forma de condução da motocicleta.

          Para evitar desgaste prematuro é preciso limpar o sistema com sabão desengraxante e, em seguida, fazer a lubrificação – que é recomendável a cada mil km ou sempre que a corrente ficar seca. Quem roda em regiões empoeiradas deve reduzir esse intervalo.

          A revisão e substituição deve ocorrer em oficina especializada e geralmente não deve ser das marcas inferiores e mais baratas. A economia pode gerar prejuízos maiores a sua segurança.

Veja alguns sinais básicos que demonstram a hora da troca:
  • Pinhão e Coroa: observar os desgastes dos dentes (achatamento na base, tortos ou finos);
  • Corrente: movimento lateral, desgaste plano em cima e em baixo, ferrugem e corrosão
  • Componentes da transmissão: metal exposto, corrente corroendo a guia, parafusos da coroa e pinhão soltos.


          Geralmente no momento da troca recomenda-se a utilização de tamanho e modelo orientado pelo fabricante da motocicleta, porém, existem algumas situações em que o motociclista poderá adaptar às suas necessidades. Para uma aceleração mais rápida e eficaz, utiliza-se uma coroa menor e um pinhão maior. Cada dente que você adiciona na frente, é o mesmo que 3 a 4 dentes atrás.

          Caso você queira uma velocidade maior, use a coroa maior e um pinhão menor, pois ao mudar na frente faz com que tenha um impacto maior.

         Outra dica bem importante no momento da troca é analisar o tipo da sua corrente. Existem correntes com retentor e sem retentor. Originalmente, toda moto sai de fábrica com corrente com retentor. Para quem não sabe, o retentor faz com que a moto perca cerca de 0,8 cv por ser uma corrente mais pesada para se movimentar um pouco melhor com segurança e estabilidade.

          Para quem pratica o off-road ou entrega pizzas em cidades montanhosas, pode ser interessante usar na moto uma relação secundária mais reduzida que a original. No outro extremo, para quem pega muita estrada, uma relação mais longa pode fazer o motor trabalhar mais "relaxado" (em menor rotação) e até ajudar a economizar combustível. Mas uma troca indiscriminada da relação (coroa e pinhão com número de dentes diferentes) pode até prejudicar o desempenho e o consumo.

         Bora lá cuidar desse item da moto e boas rotas !!!



4 comentários: