Lapa - Paraná

          Esta linda cidade fica distante de Curitiba aproximadamente 50 km, tem sua origem ligada ao tropeirismo, a Lapa é uma das cidades mais antigas do Estado do Paraná e mantém seu Centro Histórico com características originais. As ruas de paralelepípedos, as réplicas de luminárias antigas e construções em estilo colonial português dos séculos XVIII e XIX encantam os visitantes. Nestas ruas e imóveis está viva a memória de um episódio que marcou a trajetória política brasileira e ficou conhecido como Cerco da Lapa.

          O nome da cidade tem origem na marcante presença, ao leste, de uma montanha com formações rochosas que contém uma gruta em que viveu, por algum tempo, o monge João Maria D’Agostinis, tornando-a ponto de peregrinação e de grande valor místico.



        Os saborosos pratos típicos, como o virado de feijão com torresmo, a quirera, os tijolinhos de abóbora e a coxinha de farofa fazem da gastronomia um importante atrativo.

          





MONGE

          O município da Lapa destaca-se em sua geografia a Escarpa Devoniana, paredão rochoso onde se encontra a Gruta do Monge, conhecida pelos poderes místicos e milagrosos atribuídos ao monge João Maria D’Agostinis, que por ali fez morada entre 1847 e 1855. “São João Maria”, como era conhecido, dedicava-se ao estudo das plantas da região, medicava enfermos, realizava profecias e fazia orações, razão pela qual o local – hoje parte do Parque Estadual do Monge – é procurado por pessoas que buscam cura para seus males.

         Registros históricos apontam que foram três os monges que freqüentaram a região. Além de João de Maria D’Agostinis, o segundo esteve na Lapa em meio a Revolução Federalista e o terceiro em 1912.  De acordo com a lenda, os monges faziam previsões diversas. Alguns dizem ser possível perceber a imagem de uma santa na fenda existente na pedra que serviu de abrigo ao monge João Maria – conhecida como pedra partida.


CERCO DA LAPA

          Poucas cidades no país têm memórias de uma guerra ou conflito armado. A Lapa (PR) guarda até hoje, nos muros de algumas casas centenárias, as marcas dos tiros do episódio conhecido como Cerco da Lapa, no qual o exército local conteve o avanço da Revolução Federalista, que pretendia instituir sua própria forma de governo no Sul por rejeitar a República.

          Hoje intitulada a “Cidade dos Heróis”, a Lapa faz da sua importância histórica um atrativo turístico. Vários pequenos museus são dedicados a reconstituir os momentos que marcaram os 26 dias de resistência de um grupo composto por militares e civis voluntários quatro vezes menor do que as tropas federalistas que os ameaçavam.

          O Museu Histórico contextualiza o conflito que levou ao Cerco da Lapa, exibe vestes e armas e recria a cena da morte do General Carneiro, que liderou a proeza, em uma pintura. A Casa Lacerda conserva mobiliário, vestes e utensílios de várias gerações de descendentes de Joaquim Lacerda, o civil que se tornou braço direito do General Carneiro e após à guerra foi nomeado coronel. E o Museu das Armas mantém canhões, espingardas e até fotos de cenas ligadas ao episódio.

          Durante a Revolução Federalista em 1894, a Lapa tornou-se arena de um sangrento confronto entre as tropas republicanas, os chamados Pica-paus e os Maragatos contrários a república. A Lapa resistiu bravamente até que os Lapeanos comandados pelo General Ernesto Gomes Carneiro, caíram exangues em combate. Resistiram ao cerco por 26 dias, mas sucumbiram ante ao maior número do exército republicano. O episódio ficou conhecido como o "Cerco da Lapa", a batalha deu ao Marechal Floriano Peixoto, chefe da república, tempo suficiente para reunir forças e deter as tropas federalistas. Ao todo foram 639 homens entre forças regulares e civis voluntários, lutando contra as forças revolucionárias formadas por três mil combatentes. Os restos mortais do General Carneiro, assim como de muitos outros que tombaram durante a resistência, estão sepultados no Panteon dos Heróis, vigiados permanentemente por uma guarda de honra do exército brasileiro.

Fonte: Prefeitura Municipal da Lapa
Uol  Viagem

Igreja Matriz






Prédio da Prefeitura da Lapa

O Pantheon dos Heroes é um monumento cívico criado em 1944 para comemorar o Cinquentenário do Cerco da Lapa.
Fica em frente ao Museu Casa Lacerda, abriga homenagens e os restos mortais de militares que lutaram quando da Resistência Republicana de 1894. Na parte externa, encontram-se canhões Krupp 75 mm, usados na época do cerco.














Casa da Memória
Foi construída em 1888, quando David Oliveira Santos, após sonhar com 10 cavalos alados, ganhou o prêmio máximo da loteria na época. Abriga a Casa da Memória do município, cujo acervo contém objetos, fotos e documentos da história lapeana.









A Igreja Matriz de Santo Antonio é o prédio arquitetônico mais antigo da cidade, de arquitetura oitocentista, sendo tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional. Possui grande influência da arquitetura luso-brasileira por utilizar a técnica em pedra retirada da serra do monge, pela torre-sineira e pelo desenho barroco no frontão.
Construída entre 1769 e 1784 é dedicada à invocação de Santo Antonio, padroeiro da cidade. Seu interior é sóbrio e acolhedor, contendo imagens de santos do século passado vindos da Europa.
Segundo a lenda, a pessoa que der 13 voltas ao redor da Igreja se casará até o próximo ano, já que Santo Antonio é popularmente conhecido como o santo casamenteiro.












Mirante logo na entrada do Parque da Gruta do Monge















O Parque foi todo restaurado e foram construídas grades de segurança nos locais mais arriscados.






Para acessar a Gruta antes era necessário passar sobre essas pedras,
 a prefeitura instalou essas escadas metálicas.




No local esta sendo construído esse oratório.


Existe um espaço amplo de muito verde para as famílias
fazerem seus piqueniques




Adicionar legenda


As fotos abaixo são do Restaurante o Casarão
Eles servem uma excelente comida tropeira
Alameda David Carneiro, 307
Telefone: (41) 3622-0020







Nenhum comentário:

Postar um comentário