Lago Titicaca - Bolivia / Peru

          Esta passagem faz parte da viagem que realizamos em 2014 com o nome de Expedição Cinco Fronteiras. Uma das experiências mais bacanas em minhas viagens foi a travessia de barca pelo lago Titicaca, passamos pelo estreito de Tiquina, leva em média 30 minutos, depois seguimos para Copacabana onde paramos para almoçar. Após a refeição fomos conhecer um pouco da cidade e aproveitamos para efetuar o cambio de alguns dólares por moedas locai. Andamos muito pela margens desse lago que tem muita história para contar, tanto do lado boliviano quanto do lado peruano. 

          O Titicaca é o lago mais alto do mundo, é o segundo maior da América do Sul, perde apenas para o Maracaibo na Venezuela, sua extensão é de quase 100 quilômetros por 80 quilômetros, seriam quase 8.300 quilômetros, e fica a 3.810 metros acima do nível do mar, ali grandes navios conseguem navegar facilmente.

          O Titicaca fica entre cordilheiras andinas numa vasta bacia que compõe a maior parte do Altiplano dos Andes centrais. Na margem nordeste (boliviana) do lago, a cordilheira Real, sempre coberta de neve, tem alguns dos picos mais altos dos Andes, chegando a alturas superiores a 6.400 metros.
ano 
          A profundidade média do lago é de 140 a 180 metros. Mais de 25 rios deságuam no Titicaca. Um rio pequeno, o Desaguadero, drena o lago na extremidade sul. Essa única vazão esvazia apenas 5 por cento do excesso de água do lago; o resto se perde por evaporação sob o sol violento e os ventos fortes do planalto seco.

          Os peixes do lago são principalmente duas espécies de peixe-pérola — um peixe pequeno, normalmente listrado de preto — e uma de bagre. Em 1939 introduziu-se a truta no Titicaca. Uma rã grande (Telmatobius), que chega a ter mais de 30 cm, vive nas regiões mais rasas do lago.

          Quarenta e uma ilhas, algumas com população densa, surgem em meio às águas do Titicaca. A maior delas, a ilha Titicaca (também chamada ilha do Sol), fica perto da península de Copacabana, na Bolívia.

          Ruínas no litoral do lago e nas ilhas atestam a existência de uma das mais antigas civilizações conhecidas nas Américas. O principal sítio fica em Tiwanaku, na Bolívia, na extremidade sul do lago. Na ilha Titicaca, ruínas de um templo assinalam o local em que, de acordo com a tradição dos incas (povo do Peru que criou um império no século XII a.C.), o Sol mandou para a Terra os lendários fundadores do Império Inca, Manco Capac e Mama Ocllo.



          O povo indígena que vive na bacia do Titicaca ainda pratica os métodos antigos de agricultura em terraços (patamares feitos num terreno em declive), anteriores aos tempos dos incas. Eles plantam a cevada, a quinoa (um cereal miúdo) e a batata, que é originária do planalto. Perto do Titicaca encontrou-se a plantação mais elevada do mundo: um campo de cevada cultivada 4.700 metros acima do nível do mar. Essa altura impede o grão de amadurecer, mas os talos fornecem forração para as lhamas e as alpacas, parentes americanos do camelo que servem aos índios como animais de carga e lhes fornecem carne e lã.

          Os remanescentes de um povo antigo, os uros, ainda vivem no lago, em ilhas flutuantes feitas com totora empilhada — um tipo de papiro em forma de caniço que cresce em moitas densas nos locais baixos e pantanosos. Com a totora, o povo uro também faz seus famosos barcos modelados com feixes de junco seco amarrados cuja forma lembra o barco em meia-lua retratado nos monumentos egípcios antigos.

          Os índios Uros já ocupavam a parte peruana do Lago Titicaca antes da chegada dos incas à região. No entanto os verdadeiros Uros são uma etnia extinta. Hoje quem está por lá são descendentes mestiços e os aimarás.

          Linhas de barco fazem hoje travessias regulares de Puno, na costa peruana do lago, para o pequeno porto boliviano de Guaqui.

Fontes:
http://escola.britannica.com.br



Quando Sibely acenou a bandeira brasileira , um boliviano gritou 7 x 1 em referencia a derrota do Brasil para a Alemanha na Copa do Mundo de 2014,


 
 
 








 








 





2 comentários: