quarta-feira, 21 de março de 2018

Legislação para motocicletas no mundo


          Como é a legislação para nossos amigos motociclistas em outros países? Fomos atrás de algumas informações, nossas leis são rígidas e se todos cumprissem à risca, evitaríamos acidentes e mortes no trânsito.

Vamos lá dar uma olhadinha como funciona lá fora.

Tráfego nos corredores

No Brasil, não há proibição para as motos trafegarem nos corredores. (Vejam nossa matéria "A Prática do Corredor" ).

A permissão para rodar no chamado corredor, formado entre duas filas de veículos, varia de país para
país na Europa.

Na Áustria, na Bélgica e na Holanda é permitido andar no corredor quando o trânsito fica parado, mas, nos dois últimos países, é preciso rodar em velocidade baixa. Na Áustria não há restrições.

Na Alemanha, na Itália e na França, rodar no corredor é proibido, porém as autoridades são tolerantes em alguns casos. "Em Paris todo mundo faz isso", explica a jornalista alemã Eva Breutel, especializada em motocicletas.


Uso do capacete

Em nosso País, o uso do capacete é obrigatório tanto para o piloto quanto para o passageiro. Estudos efetuados para avaliar a eficácia do uso de capacetes, demonstraram que, o seu uso pode prevenir cerca de 69% dos traumatismos crânio-encefálicos e 65% dos traumatismos da face. O capacete protege o usuário desde que utilizado corretamente, ou seja, afivelado, com todos os seus acessórios e complementos. Vejam nossa matéria (Capacete, Modelos, Regras e Normas).

Sem capacete - Estados Unidos

          Com predominância de motos de alta cilindrada, os EUA possuem regras específicas para motocicletas em cada região. Dos 48 estados, apenas 19 e o distrito de Columbia exigem o uso de capacete para todos motociclistas.

Em Wisconsin, terra da Harley-Davidson, por exemplo, o equipamento de segurança é obrigatório só para quem possui 17 anos ou menos. Em alguns estados, não é exigido para pilotar motos pequenas (abaixo de 50 cilindradas).

Em 2012, 4.667 pessoas morreram em acidentes de motos nos EUA, 14% do total de 33.561 mortes no trânsito, de acordo com a Insurance Institute for Highway Safety (IIHS, instituto que trata da segurança em estradas dos EUA).

Motocicletas nas estradas

Nas rodovias brasileiras, as motos são livres para circular, apenas os ciclomotores têm regras próprias. Segundo o Código de Trânsito Brasileiro, os veículos de até 50cc não podem transitar em rodovias, salvo no acostamento ou em faixa própria.

Maior produtora de motocicletas do planeta, a China retirou os veículos de duas rodas movidos a combustão de algumas regiões.

As grandes cidades, como Pequim e Xangai, possuem restrição à circulação de motos em seus centros. Mas motos elétricas são permitidas, o que acabou proliferando seu uso nesses locais. Uma exceção para isso é a cidade de Chongqing, polo da fabricação de motocicletas no país, na qual as motos são liberadas a rodar livremente.

Fora das estradas - China

Além de vetar a circulação em grandes centros urbanos, a China proíbe esses veículos nas autoestradas, restando aos motociclistas utilizar apenas estradas vicinais e de terra.

O objetivo da medida é evitar acidentes. No entanto, ela acaba sendo um empecilho para o desenvolvimento do mercado de motos de alta cilindrada no país.

No Brasil, recentemente a cidade de São Paulo proibiu a circulação de motos em algumas vias.

Na Argentina, mais precisamente nas províncias de Corrientes e Resistência, as motocicletas não podem trafegar pela Rutas que atravessam as cidades, as motocicletas devem circular pelas vias marginais, neste caso é aconselhável sempre estar de olho nas placas de sinalização, quando essas existirem.

Formação de condutores

Esse é um ponto que a legislação brasileira deixa a desejar. No nosso País, para tirar a CNH de Categoria A (para motocicletas), a prova prática ainda é feita em circuito fechado, o que quer dizer que o motociclista tira a habilitação sem nenhuma experiência na rua.

Apesar de variar de país para país, o sistema de preparo de motociclistas é mais rígido na Europa, se comparado ao brasileiro, por exemplo.

Nas aulas naquele continente, o usuário aprende a frear e a trocar de marcha corretamente.

Na Alemanha, tirar a carteira de moto é mais caro que de carro. A primeira custa cerca de 1.800 euros (aproximadamente R$ 5,5 mil, na cotação atual); a de carros sai por 1.600 euros (equivalente a R$ 5 mil).

Transporte de crianças em motos

Pilotar carregando um passageiro exige muito mais responsabilidade, habilidade e experiência.
Transportar crianças requer cuidados em dobro, além disso, o transporte de crianças menores de sete anos em motos é proibido por lei no Brasil. Segundo especialistas, crianças abaixo desta idade não têm os reflexos e a habilidade necessária para se proteger numa eventualidade.

Nos Estados Unidos, apesar disso, apenas dois estados têm restrições de idade para passageiro de motocicleta, Washington e Havaí (proíbe pilotos com menos de sete anos de idade).

Na Espanha existe uma regra curiosa, para trafegar em motocicletas, as crianças devem ser maiores de 12 anos se o piloto for apenas um conhecido. Se o piloto for o pai, a mãe ou um tutor, é permitido o transporte se a criança tiver mais de sete anos.


Mototáxi em aeroportos - Paris

Para se livrar do intenso tráfego de carros, Paris tem um grande movimento de mototáxis no aeroporto Charles de Gaulle.

Enquanto o carro pode levar mais de 1 hora para fazer o trajeto do local ao centro da cidade, os mototaxistas prometem realizar o percurso em 20 minutos.

O serviço, no entanto, é um pouco mais caro: custa 70 euros (equivalente a R$ 220), enquanto táxis cobram 65 euros (cerca de R$ 197), em média.

Os modelos usados são os de alta cilindrada, como Honda Gold Wing, Suzuki Burgman 650 e BMW K 1600, que permitem carregar bagagem e também oferecem mais conforto ao garupa, com bancos mais largos.

Como é no Brasil: mototáxis são permitidos e o uso é mais difundido na região Nordeste, com modelos de baixa cilindrada. Nos principais aeroportos ainda predomina o uso de táxis.


Freios ABS

A partir de 2019, todas as motocicletas à venda no Brasil, fabricadas localmente ou importadas, deverão possuir sistema de freios com antitravamento (ABS) e/ou frenagem combinada das rodas (CBS). A resolução do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) indica que todas as motos com cilindrada igual ou superior a 300 cc devem possuir ABS. As de cilindrada inferior podem ter ABS ou CBS. A implantação da obrigatoriedade será gradual.

Na Europa, a obrigatoriedade chegará mais cedo. A partir de 2016, todas as motos novas, com motores de cilindrada superiores a 125 cc, terão que possuir freios do tipo ABS, que evitam o travamento das rodas em frenagens bruscas. Para modelos com tamanho de motores inferiores a 125 cc, será possível escolher entre o ABS ou o CBS.

Motos em faixas de ônibus

Nas vias brasileiras as motos são proibidas de trafegar nas faixas exclusivas de ônibus.

Desde 2011, a cidade de Londres permite aos motociclistas circularem pelas faixas e corredores de ônibus. De acordo com o governo local, a segurança dos motociclistas e outros integrantes do trânsito não é afetada.

Entre os benefícios apontados pela órgão de transporte da capital inglesa estão a redução de emissões de poluentes e a diminuição do tempo de deslocamentos para motociclistas, além de ajudar na fluidez geral do tráfego.

Idade reduzida - Europa

Outra diferença das regras envolvendo motos na Europa é a possibilidade de tirar habilitação para modelos de baixa cilindrada já a partir dos 16 anos na maioria dos países.

Quem possui habilitação para carros também pode usar um "moped". Assim são chamadas as motonetas com velocidade mínima de 25 km/h e máxima de 45 km/h, com motor não maior que 50 cc. E alguns países, como França, Itália e Portugal, já é possível rodar com um desses veículos a partir dos 14 anos.

Como é no Brasil: só é permitido andar de moto a partir dos 18 anos.

Fontes:
Portal do Trânsito
Expedições Latinas
g1.globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário