quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Caminhos do Contestado - Santa Catarina

Portal de Canoinhas
          O "Caminhos do Contestado" envolve os municípios do Planalto Norte Catarinense, região conhecida pelo Tropeirismo e pela Guerra do Contestado, caminhos estes já percorridos em diversos em algumas ocasiões por Expedições Latinas e  nessa matéria pretendemos revelar a identidade dessa região, formada por diferentes etnias com suas culturas, gastronomias e arquiteturas em meio a paisagens deslumbrantes, testemunhas de importantes acontecimentos históricos.

          Este é um passeio é indicado amigos motociclistas que gostam de conciliar passeios e história, por isso iremos explicar antes o que foi a Guerra do Contestado, depois falaremos sobre as cidades.

          A Guerra do Contestado foi um conflito armado entre a população cabocla e os representantes dos poderes estaduais e federal brasileiro travado entre outubro de 1912 a agosto de 1916, numa região rica em erva-mate e madeira  disputada pelos estados brasileiros do Paraná e de Santa Catarina.

          Originada nos problemas sociais, decorrentes principalmente da falta de regularização da posse de terras e da insatisfação da população hipossuficiente, numa região em que a presença do poder publico era pifia, o embate foi agravado ainda pelo fanatismo religioso, expresso pelo messianismo e crença nos monges , que por parte dos caboclos revoltados, tratava-se de uma guerra santa.

          Um monge muito conhecido dos paranaenses participou dessa guerra, o beato José Maria, este pregava a criação de um mundo novo, regido pelas leis de Deus, onde todos viveriam em paz, com prosperidade justiça e terras para trabalhar. José Maria conseguiu reunir milhares de seguidores, principalmente de camponeses sem terras.

          A região fronteiriça entre os estados do Paraná e Santa Catarina, área de 48.000 km² recebeu o nome de Contestado em razão do litigio entre Paraná e Santa Catarina e ao conflito social, ocorrido na mesma área e período denominado de Guerra do Contestado, onde os pequenos agricultores contestaram a doação de terras que o governo brasileiro fez à Brazil Railway Company e à Southern Brazil Lumber et Colonization Company.

          A guerra terminou somente em 1916, quando as tropas oficiais conseguiram prender Adeodato, que era um dos chefes do último reduto de rebeldes da revolta. Ele foi condenado a trinta anos de prisão.

          Como foi uma região de muitos conflitos, ficou conhecida como Contestado, justamente por ser uma região de disputas de limites entre os dois estados brasileiros.


As cidades: 

MAFRA

          Mafra é considerada cidade pólo do planalto norte de Santa Catarina, e tem sua história unida à de Rio Negro, no Paraná, pois antes da mudança dos limites entre os dois estados, as duas cidades faziam parte de um único município. Colonizada por diversos povos, mantém as tradições em centros culturais e em grupos folclóricos como o Bucovino Boarischer Wind (alemão) e o Vesná (ucraniano).

          Visite a Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, templo de fé dos ucranianos que vivem na cidade, e a ponte metálica Dr. Dinis Assis Henning sobre o Rio Negro. 

          Diversos eventos são realizados durante o ano: A Festa de São José, em março; Festa de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, tradicional na comunidade ucraniana em homenagem à padroeira, em junho; a Festa Bucovina, tradicional comemoração dos bucovinos, com atividades folclóricas e culturais, comidas típicas e muita animação, em julho. Em setembro ocorre a Festa do Produtor, a qual faz parte das comemorações do aniversário do município, e a Festa de Nossa Senhora Aparecida, em outubro. 

          Além da infraestrutura turística existente, Mafra também conta com turismo ecológico, que dispõe de passeios por florestas, cachoeiras, áreas rurais, usinas e sítios paleontológicos.

Museu da Terra e da Vida

Cenpáleo Centro Paleontológico da Universidade do Contestado

          Você vai fazer uma viagem na história da vida passada do nosso planeta, através de fósseis de plantas e animais que habitaram a região há milhões de anos, bem como fósseis de outras regiões do Brasil e de outros países, como dinossauros e pterossauros.

Endereço: Universidade do Contestado, Campus de Mafra. Av. presidente Nereu ramos, 1071. Mafra SC. 
Contato: (47)3641-5500

Horário: de segunda à sexta feira das 08:30 as 17h

Maquetes da Guerra do Contestado

Exposição na Universidade do Contestado - UnC

          Maquetes retratando os principais conflitos da Guerra do Contestado. São seis módulos, ricos em detelhes, com os personagens em palha de milho, elaborado e desenvolvido pelo artesão Meinrad Horn, conhecido carinhosamente como "alemão".

Endereço: Universidade do Contestado, Campus de Mafra. Av. presidente Nereu ramos, 1071. Mafra SC.
Contato: (47) 3641-5500.


ITAIOPOLIS


          As terras hoje ocupadas pelo município começaram a ser desbravadas a partir do ano de 1891 por imigrantes europeus, principalmente poloneses, ucranianos e alemães. Naquela época, a Colônia Lucena (atual Itaiópolis) pertencia ao Estado do Paraná, passando a distrito de Mafra em 1917 após um acordo firmado entre os estados de Santa Catarina e Paraná, por ocasião da Guerra do Contestado.

          Em 28 de outubro de 1918, Itaiópolis é elevada à condição de município. Os colonizadores, sobretudo poloneses e ucranianos, semearam sua magnífica cultura, hoje vislumbrada nas edificações, no artesanato, no cultivo da terra, nas manifestações folclóricas, no idioma, e todos os demais aspectos que compõem a cidade de Itaiópolis.


Monumento aos Imigrantes

          Monumento em homenagem aos imigrantes poloneses e ucranianos. Feito pelas artistas Aline Valiati, Sandra Levandoski Rech e Jozieli Valiatti. O monumento é composto pela pêssanka, Nossa Senhora de Monte Claro, flores estilizadas, águia branca símbolo da Polônia e o brasão de Itaiópolis.


Artesanato

Centro de Recepção de Visitantes

          A Arte Eslava está representada em Itaiópolis nas pêssankas, ovos decorados com signos e cores, possuem poderes de talismã; os bordados ucranianos destacam-se pelas cores vibrantes; e o wycinanki – arte de recortar papéis com desenhos figurativos e mandalas utilizado para decorar o interior das casas. O artesanato cultural está disponível no Centro de Recepção de Visitantes.


Núcleo Histórico de Alto Paraguaçu

          Tombado pelo IPHAN, possui elevado valor histórico e paisagístico no contexto do patrimônio cultural da imigração. Conta com casas típicas, Capelinhas do Rosário, Igreja Santo Estanislau (maior igreja construida por imigrantes poloneses na América Latina) e Casa Polaski (Sede da Associação Cultural Polonesa).



CANOINHAS

          Na praça central da cidade, uma cuia gigante invoca a memória do passado dedicado à extração de erva-mate, embora esta não seja mais a principal fonte de renda do município. Atualmente, as ervateiras dividem espaço em importância econômica com outros produtos agrícolas e com a indústria de beneficiamento de papel.

          A cidade tem ruas bem traçadas, largas e longas, que rasgam as suaves colinas na região do planalto, e apresenta uma grande diversidade étnica entre seus 52 mil habitantes. Passagem de expedições no século XVIII e rota de tropeiros no século XIX, a primeira corrente migratória recebida foi de paulistas, incluindo portugueses, espanhóis e caboclos. Depois chegaram os alemães, poloneses e ucranianos e, posteriormente, sírio-libaneses e italianos. As diferentes associações culturais e grupos folclóricos revivem as tradições dos pioneiros através da música, da dança e da gastronomia.

          Localizada praticamente na fronteira com o Paraná, Canoinhas é considerada o epicentro da Guerra do Contestado. Na época, o conflito envolveu pessoas influentes da cidade, que defenderam os limites geográficos de Santa Catarina. De acordo com pesquisas, a então vila de 500 habitantes chegou a abrigar mais de 2.000 soldados para a defesa dos constantes ataques de sertanejos. Há registros históricos de mais de 20 combates.

Ervateira Dranka

          Mostra como acontece o processamento industrial da erva-mate, possui uma loja completa com diversos artigos e produtos relacionados à erva-mate. 
Endereço: Rodovia BR 280, Km 233 – Bairro Piedade. Horário: 9h às 12h e 13:30 às 18h (com agendamento). Fone: (47) 3622-2068.

Cervejaria Canoinhense

          Mais de 100 anos de tradição na fabricação de cerveja e chope artesanais, além de outras bebidas. Possui uma interessante coleção de animais taxidermizados.
Endereço: Rua Três de Maio, 222 – Centro. Horário: de segunda à sábado, das 8h às 12h e das 14h às 18h. Fone: (47) 3622-0358



Doces e Fricotes

          Aconchegante casa com gastronomia diversificada, almoço típico alemão no primeiro domingo de cada mês. Refeições a la carte e buffet, café colonial, lanches e festivais gastronômicos. Café da manhã especial de segunda a sábado das 7:30 às 10:30.

Endereço: Rua Francisco de Paula Pereira, 624 – Centro. Horário: segunda à sábado das 9:30 às 23h e almoço todos os domingos.
Fone: (47) 3622-3225.




IRINEOPÓLIS

          Irineópolis é uma cidade interiorana bonita e pacata, na qual o extrativismo vegetal e a agricultura representam 85% da economia. A região tem belas várzeas e planaltos e os pontos mais elevados da região são a Serra Grande, com 1.143m de altitude, e a Serra do Tamanduá, com 1.193m. 

          As tradições dos seus colonizadores são mantidas por meio dos encontros de seus descendentes, promovidos pela Igreja Católica. 

          A cidade faz divisa com Paula Freitas-PR por meio do Rio Iguaçu. Existe uma balsa sem motor movida por tração manual que faz a travessia dos moradores pelo rio. Além disso, Irineópolis possui diversos pontos espelhados pelo interior do município que foram palcos de batalhas da Guerra do Contestado (1912-1916). Entre eles, o morro da Maria Rosa e a Gruta do Monge João Maria.

Estância Hidromineral Águas de Valões

          Fonte de água mineral alcalina bicarbonada, descoberta na década de 30. A Estância Hidromineral Águas de Valões oferece momentos de lazer integrado a exuberante beleza natural e hospedagem em bangalôs.

Rua Amazonas, 166 Centro 
Fone: (47) 3625 1149 - Email: lealuiza@matrix.com.br



Casarão Domit

          Museu histórico e cultural abriga rico acervo pelos cômodos da casa. Construído em 1929, seu proprietário foi responsável pelo processo de pacificação política após a Guerra do Contestado.

Rodovia SC 460 – Km 04 47 3625 1232 / 42 9975 1409 / 42 8850 1661
Contato: Roberto Domit de Oliveira e Marília Oliveira com agendamento
Tempo de visitação: 1 hora - Email: engdomit@yahoo.com.br




PORTO UNIÃO


        Como povoado, a cidade começa em 1842, em descoberta do Vau, no Rio Iguaçu, - lugar no rio de baixa profundidade que facilitou as passagens das tropas que vinham dos campos de Palmas. Esse lugar era também o ponto de embarque e desembarque para quem se valia do Iguaçu como meio de transporte. Daí o primeiro nome: Porto da União. 

          A pequena vila cresce e em 1855 tem seu nome mudado para Porto União da Vitória. Em 1880 chegam de Palmas para se estabelecer no comércio, com a compra e venda de sal, o Coronel Amazonas Marcondes. No ano seguinte tem início a navegação a vapor no Rio Iguaçu transportando passageiros e mercadorias. 

          O grande rio sempre esteve ligado à vida e a história da cidade, desde suas origens, acariciando ou castigando-a, às vezes. A partir deste ano chegam os primeiros colonos de origem européia, na maioria alemães. Mais tarde aportam outras etnias: poloneses, ucranianos, austríacos e russos. No início do século XX, chegam os libaneses. A cidade desenvolveu-se e em 1901, é criado o município de União da Vitória. 

          Em 1912 tem início conflitos do Contestado que se prolongam até 1916. Em 5 de setembro de 1917 é criado o município de Porto União que a partir daí, passa a conviver, em todos os aspectos, com a parte da cidade que ficou do lado paranaense.

Restaurante Portal das Palmeiras - Almoço

          Ambiente rústico e agradável, localizado ao lado do portal da cidade, oferece diversas opções gastronômicas e espaço para eventos. Comida caseira, pratos típicos, sopas, feijoada e café colonial servido na mesa.

Endereço: Rua Exp. Edmundo Arrabar 4601. Fone: (42) 3522-0528.
Contato: Raquel Inês da Silva dos Santos. Horário: segunda a domingo 8h às 17h. Segunda 8h às 15h.
E-mail: eventos@portaldaspalme





Parque Monge João Maria

          As passarelas do Parque conduzem o visitante ao pocinho abençoado pelo Monge. Segundo a crença popular, nesse local teria descansado e cavado um poço, o Monge João Maria, profeta que viveu na época dos conflitos da Guerra do Contestado. Local de fé, que nos dias atuais ainda é usado em cerimonias de batismo pela comunidade.

Endereço: Alto da Rua Sete de Setembro. Horário: segunda a domingo das 8h às 18h. Tempo de visita 30min



MUSEU SALUSTIANO COSTA JUNIOR

          Villa Gema a moradia da Família de Raphael Benghi e Gemma Balardine Benghi foi concluída em 1930 com projeto do arquiteto italiano Carlo Conti. Construção sólida e estilo eclético, abriga a Secretaria de Cultura e Turismo de Porto União, o Museu.


ESTAÇÃO FERROVIÁRIA UNIÃO

          Construção da década de 40, uma das únicas no mundo que integra duas cidades e dois estados. A linha férrea é o limite geográfico entre Santa Catarina e Paraná.

Endereço: Praça Hercílio Luz, Centro. Tempo de visita: 30min