quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Mudar espelhos ou guidão da moto exigirá vistoria

         Passa a vigorar no dia 1 de setembro de 2017 a portaria 159/2017 do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito). O texto substitui a portaria 64 de 2016 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e traz novas disposições a respeito das possibilidades e exigências para alterações em veículos. No caso das motos, o item 60 da portaria regulamenta as customizações de guidões e espelhos para esse tipo de veículo.

        



Observação 7: Quando da alteração de espelhos retrovisores deverá ser observado, os requisitos técnicos estabelecidos na Resolução CONTRAN nº 682, de 25 de julho de 2017 e suas sucedâneas.

Observação 8: Quando da alteração de guidão deverá ser observado: Largura: Mínima de 600mmm e máxima de 950mmm (Figura 1) e Altura: Máxima limitada ao ombro do condutor quando o mesmo estiver em posição de condução da motocicleta (Figura 2). Figura 1 – Largura do Guidão

         No caso dos guidões, a largura mínima tem que ser de ao menos 600 mm, enquanto a largura máxima não pode ultrapassar 950 mm. A altura do guidão fica limitada à linha dos ombros do piloto.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Qual a melhor moto para viagens?

          Essa é uma das perguntas mais frequentes e com certeza  uma das mais difíceis de responder. O mercado para motos de viagem esta em crescimento, mesmo com a crise que estamos enfrentando, existem estilos diferentes de motos e estilos diferentes de pilotos.

          Motociclistas brasileiros estão descobrindo o prazer de rodar pelas entradas, seja em rotas tupiniquins ou pela América Latina, para realizar essas viagens é preciso que a moto tenha um bom desempenho, elevada autonomia e acima de tudo ofereça conforto para longas jornadas.

          Uma das diferenças esta relacionada ao uso, aquele modelo de moto que pode ser muito pratica no dia a dia na cidade pode não ser o ideal para uma longa viagem. Os modelos habitualmente encontrados em nossas estradas são:

Big Trail 

          Sou suspeito em comentar, para o estilo de viagens que realizo a Big Trail me atende melhor. Embora o sonho de consumo seja uma BMW R 1200 GS , considerada o ícone das Big Trails, vou tocando minhas viagens com meu Trovão Azul (foto acima), uma VStrom DL 1000 que me atende muito bem. 

          A vantagem das Big Trails esta na possibilidade de encarar qualquer terreno, você pode sair sossegado para viagem e se no meio do caminho tiver algum desvio de asfalto ou alguma estrada de terra a viagem segue sem preocupação.

          A outra vantagem das Big Trails esta na posição de pilotagem, nossas rodovias são muito esburacadas, por conta disso, o fato de você pilotar de forma mais ereta faz com que todo o apoio se concentre nas pernas, poupando dessa forma a sua coluna, além de proporcionar mais segurança.

Touring 

          É o mais próximo que uma motocicleta pode chegar de um carro. São motos robustas, desenhadas especialmente para aguentar grandes percursos, com tanques de combustível de grande capacidade, proteções contra vento, assento confortável e bagageiro.

          Possuem motores de média a grande cilindrada, variando entre 600cc a 1200cc. Apesar do conforto e itens de série que acabam por melhorar a vida de quem está pilotando, as motocicletas dessa categoria geralmente são bastante pesadas, exigindo maior experiência do piloto.

          Os modelos da Harley-Davidson são os mais conhecidos dessa categoria. Um destaque importante vai para a Honda GoldWing.


Sport touring

          Outra classe de motos extremamente versátil é a das sport touring. Algumas delas são desenhadas especialmente para viagens, mas a maioria são motos sport modificadas com o garfo dianteiro reforçado, alforjes de fábrica, uma carenagem mais ampla, pára-brisas mais alto e um assento com posição mais confortável.





Motos Standard
          Essa categoria contém modelos indicados para enfrentar qualquer condição, as Standards desempenham um bom papel para os que desejam pilotar na cidade, na estrada, em uma longa viagem ou mesmo no dia a dia.


As Standards são motos básicas e podem ser otimizadas de acordo com a necessidade do piloto, possuindo para longas viagem acessórios como:

Banco para touring;
Pára-brisas;
Alforjes;
Bagageiro;
Encosto de garupa.




Motos Cruisers

          Outra opção válida para viajar são as cruisers, uma variante das custom vocacionadas para quem gosta de acumular quilômetros. Com posição de condução bastante diferente dos segmentos já mencionados, apelam a um ritmo calmo e relaxado, sem colocar ênfase em prestações ou capacidades dinâmicas. O que não quer dizer que as atuais cruisers não permitam desfrutar da condução.

          O modelo Cruisers possui motor e suspensão modernas que tornam o estilo em uma categoria prática para viagens e estilosa.

          A principal vantagem das Cruisers é a altura do assento que possibilita que pilotos mais baixos alcancem o chão com facilidade e ainda torna mais fácil o embarque de passageiros na moto.

          O modelo pode receber acessórios para viagem e ainda possui o diferencial de em alguns casos já vir equipada para viagens.




terça-feira, 22 de agosto de 2017

Estouros em escapamentos prejudica a moto?

          Muitas vezes andando pelo trânsito de Curitiba vejo alguns motociclistas pedindo passagem para os carros, primeiro vem aquela acelerada básica, depois que ultrapassam vem aquele som "rrrrrrumm pááááááá" o estouro no escapamento, ou conhecido também por "pipoco" em algumas regiões do Brasil.

          Alguns fazem isso por diversão mesmo, a prática é comum e acontece quando desligamos a chave da moto e ligamos novamente. Poucos sabem o porque disto e menos pessoas ainda sabem o quanto esta “diversão” pode ser prejudicial a moto.

          Quando o motor está em funcionamento, o movimento do pistão faz com que seja "sugado" para a câmara de combustão a mistura fresca ( mistura de ar +gasolina em vapor, antes da queima), esta mistura é detonada pela faísca da vela de ignição. Ao funcionar o motor e desligar a chave ou o stop ignition, acontece que a vela não envia mais faísca, mas o motor ainda está girando, este movimento do motor resulta em um acumulo de mistura fresca na câmara de combustão e também no escapamento. É nesta hora que se liga novamente a chave ou o stop ignition, e a vela retorna a soltar faísca queimando o excesso de mistura fresca que está acumulada, com isso ocorre uma explosão grande. 

Danos prejudiciais


          A grande explosão que ocorre, resulta sim e danos para a sua moto. Primeiramente e menos importante no pistão, pois o mesmo recebe um impacto fora do normal para o que foi dimensionado. Em segundo lugar, as válvulas de escape também sofrem com o impacto e podem ocorrer pequenos empenos nas válvulas. Em terceiro lugar o cano de escapamento, o qual ocorre ruptura das paredes, e também superaquecimento dado que muitas vezes chega a sair fogo pelo escapamento. E para terminar, o sistema do motor em um todo, acaba sofrendo, podendo ocasionar um desgaste prematuro.


fonte:motokando

domingo, 20 de agosto de 2017

Vácuo - caminhões e onibus

          Quem de nós já não permaneceu durante um bom tempo atrás de um caminhão ou ônibus e sentiu no braço como é complicado segurar uma motocicleta? Isso é ocasionado pelo fenômeno conhecido como vácuo. No momento da ultrapassagem passamos por outra situação conhecida por "deslocamento de ar", nesse caso a orientação ao ultrapassar ônibus e caminhões é fazê-lo quanto mais distante melhor.

          Embora não muito divulgado, é comum motociclistas se envolverem em acidentes provocados pelo vácuo de ônibus e caminhões, após um acidente divulgado fomos atrás dessa informação, a orientação abaixo é de autoria de nosso amigo Instrutor Amaral, em matéria divulgada para o Motoonline.com.br.

Por Instrutor Amaral:

          Muitos me perguntam como podemos evitar um tipo de acidente causado por ventos e deslocamentos de ar enquanto transitamos com nossas motos principalmente em estradas e rodovias. Em primeiro lugar vamos entender o que são ventos e o que são deslocamentos de ar, pois parecem a mesma coisa, mas não são. Por isso os cuidados na pilotagem devem ser bem aplicados conforme nossas atitudes diante dessas condições adversas na condução de motos e assim poderemos colocar em prática as técnicas da pilotagem segura.


Vento – É um fenômeno natural, causado pela diferença de temperatura na atmosfera, movimentação de rotação e translação da Terra. Portanto, para o piloto não tem como fugir deles. Existem dois tipos de ventos que podem causar perigo ao motociclista:

1- Ventos Laterais

2- Ventos frontais

          Os ventos laterais são os mais perigosos para a condução, pois eles vêm repentinamente, empurrando o motociclista e a moto para as laterais da pista. Os cuidados que se deve ter nesse momento é abaixar o corpo, deixando o vento passar por cima do piloto, evitando atingi-lo de lado e, sem dúvida, desacelerar, diminuindo a velocidade. Assim poderá sair de situações de risco, como ser empurrado para fora da estrada.

          Existem regiões onde os ventos laterais aparecem em forma de rajadas. Nesse tipo de fenômeno natural é quase impossível evitar um acidente. Porém, pilotando preventivamente, observando se no local há sinalização indicando esse fenômeno, ou mesmo observando os sinais do ambiente, como árvores derrubadas ou deslocadas lateralmente, caminhões tombados sem uma aparente causa, placas de sinalização e de publicidade caídas na beira da estrada, não pense duas vezes em reduzir a velocidade e pilotar com calma. Rodovias ou estradas muito abertas em suas laterais são muito propícias a isso. Para rajadas de ventos laterais repentinas não há técnica defensiva e sim preventiva.

          Os ventos frontais de que falamos são os causados naturalmente e não pela velocidade da moto. Percebe-se mais facilmente em modelos de motos com suspensões mais altas, como as trail. Ou seja, não é a moto que “corta” o vento, mas sim o vento que vai ao encontro da moto. Nesse momento o piloto sente a frente da motocicleta mais leve, sem estabilidade. Neste caso, o conselho defensivo é diminuir a velocidade e deixar o corpo mais a frente, concentrando peso à roda frontal e diminuindo assim a leveza causada pelo vento frontal. O conselho preventivo é ajustar a suspensão traseira da moto para uma pré-carga mais dura, dessa forma o pneu dianteiro ficará mais colado ao chão, deixando a moto mais estável nessa condição atmosférica.

Deslocamento de ar – Diferente dos ventos, o deslocamento de ar é causado por outros veículos maiores, como caminhões e ônibus, e não pela natureza. São quatro os tipos:

1- Deslocamento de ar positivo

2- Deslocamento de ar negativo

3- Turbulência

4- Vácuo

Deslocamento de ar positivo – É muito comum isso acontecer ao ultrapassar caminhões e ônibus. Tais veículos “empurram” o ar ao se movimentarem em velocidade. Assim esse ar deslocado é retirado da frente desses grandes veículos e jogado para o lado, isto é, ao lado de sua ultrapassagem. Dessa forma, o motociclista e sua moto são jogados positivamente, ou seja, para fora da via. O conselho defensivo é ultrapassar rápido e longe de caminhões e ônibus e o conselho preventivo é ter muita paciência e esperar o momento certo para ultrapassá-los. Esse efeito de deslocamento acontece também quando veículos passam em grande velocidade ao contrário de sua via. Dessa forma, ao vê-los chegando desloque-se ao lado direito da via o mais longe possível deles e amenize o efeito do deslocamento.

Deslocamento de ar negativo: este tipo de condição adversa é a mais grave, pois da mesma explicação dos efeitos do deslocamento de ar positivo, o ar deslocado para as laterais de grandes veículos “abraça” o motociclista que está ultrapassando o qual é sugado para debaixo desses pesados caminhões. Portanto, aproveite a vantagem da moto e ultrapasse rápido e fique longe desse espaço.

Pratica comum entre os ciclistas
Turbulência e Vácuo – Sabe aquela frase escrita na traseira de caminhões e ônibus “mantenha distância”? É bom você saber que ela está ali por uma razão muito importante. Primeiro porque o ensinamento defensivo explica que se deve manter uma distância de seguimento entre 2 a 3 segundos atrás de qualquer veículo independente da velocidade dos mesmos. Se o veículo a manter distância for um carro mais pesado, ou se a via estiver molhada, esta distância deve ser dobrada ou triplicada. Isso vale para a moto, também.

          É muito comum encontrar motociclistas trafegando grudados atrás de ônibus com o objetivo ilusório de se protegerem da chuva ou de ventos frontais. Dependendo da velocidade e da curta distância de seguimento do veículo da frente, acontece muita turbulência e, ao se aproximar demais, o motociclista poderá entrar no vácuo. Sim, vácuo, ausência de ar que evita atrito atmosférico e aumenta a velocidade da moto. Muitos acidentes fatais são causados por esta falta de atrito do ar. Não precisa o veículo da frente frear forte para que o motociclista estampe na traseira de ônibus ou outros veículos, pois o vácuo ajuda a empurrar a moto causando este tipo de acidente. Assim sendo, mantenha distância – e a fumaça do diesel é tóxica, saia de perto do bruto.



quinta-feira, 17 de agosto de 2017

RN 7 - Argentina

  
        La Ruta Nacional 7 Carretera Libertador General San Martín (Decreto n.º 115.261/1942) es una carretera argentina que une las províncias de Buenos Aires, Santa Fe, Córdoba, San Luis eMendoza. Es parte del corredor bio oceânico de Argentina. Es una extensión de la Carretera Pan-americana, que continúa en el territorio chileno como la Ruta CH-60.






          La carretera atraviesa el país de este a oeste, desde la capital de la república hasta el límite con Chile, lo que implica que sea una carretera de alto tránsito de automóviles y camiones. La carretera es la principal conexión internacional entre Argentina y Chile, también se utiliza para transportar por vía terrestre importantes cantidades de carga con destino u origen en Brasil, Paraguay y Uruguay.

          Su trazado se inicia en la Ruta Nacional A001(Avenida General Paz), Límite entre la ciudad de Buenos Aires y la provincia del mismo nombre y termina en la provincia de Mendoza, en el Túnel del Cristo Redentor situado en la frontera con Chile, en un recorrido de 1.224 km, de los cuales en 2008, 367 eran autopistas (30% del total). Se encuentra en obras el trecho en la provincia de Mendoza que se unirá a la autopista ya concluida en el territorio de la provincia de San Luis.





Lago Uspalatta - Mendoza







Puente de los Incas









          El Túnel del Cristo Redentor es un túnel que une Argentina y Chile en la región conocida como Paso Libertadores, en la cordillera de los Andes. Se localiza entre la provincia argentina de Mendoza y la provincia chilena de Los Andes, en la región de Valparaíso. Recibe ese nombre pues cerca de él se encuentra la estatua del Cristo Redentor de los Andes.

      El túnel se sitúa a 3175 m de altitud y tiene 3080 metros de extensión, de los cuales 1564 corresponden al territorio chileno y 1516 al argentino. Fue abierto en 1980 y corre al lado de un túnel similar, construido a principios del siglo XX para el Ferrocarril Trasandino Los Andes-Mendoza. Debido a la altitud en que se encuentra, el paso por el túnel es dificultado en los meses de invierno por las fuertes nevadas que afectan a esa zona de la cordillera.

Túnel Cristo Redentor









     Puente del Inca es un poblado argentino ubicado en el noroeste de la provincia de Mendoza. Su curiosa formación rocosa se ha convertido en un punto turístico destacado, hoy considerado un área natural protegida en la provincia.

Puente de los Incas



Lago Uspalatta



Lago Uspalatta - Mendoza


















        El Monte Aconcagua, con 6.960,8 metros de altitud, es al mismo tiempo el punto más alto de América y de todo el Hemisferio Sur y el más alto fuera de Asia. Se encuentra ubicado en los Andes argentinos, muy cerca de la ciudad de Mendoza, en el Parque Provincial Aconcagua, cuya entrada está cerca del pueblo del Puente del Inca.

Aconcagua