sexta-feira, 5 de maio de 2017

Túnel Paso Água Negra - Argentina - Chile


          Recentemente os governos da Argentina a e Chile selaram um acordo para a construção de um grande túnel ligando os dois países através da Cordilheira dos Andes, a obra esta em processo de licitação internacional, é um dos maiores projetos de integração binacional da América do Sul. O Túnel Água Negra será a maior obra na América Latina após a expansão do Canal do Panamá e será construído numa região adorada por muitos motociclistas de Bigs Trails, o Paso de Água Negra, uma fronteira muito pouco utilizada por veículos, afinal, suas estradas de terra beirão penhascos em meio a Cordilheira dos Andes.




          O projeto prevê um gasto de cerca de US$ 1,5 bilhão e unirá a região chilena de Coquimbo e a província argentina de San Juan. O túnel Água Negra, que terá 14 quilômetros de extensão, deve se transformar em um corredor bi oceânico central, já que também permitirá a conexão com Porto Alegre, uma das zonas mais industrializadas do Brasil.



          Autoridades chilenas têm estimado que a obra, que leva em conta os estudos de engenharia, expropriações territoriais e construção, pode estar concluída em um prazo de oito a dez anos.Entre as principais vantagens do túnel internacional está que ele será construído em uma altura inferior à da atual passagem fronteiriça da zona, o que garantirá seu funcionamento o ano inteiro, apesar das intensas nevascas do inverno austral, que muitas vezes impedem a passagem de veículos.

           A ligação permitirá um canal de comunicação ligando os portos oceânicos do Pacífico (Coquimbo, Chile) e Atlântico (Porto Alegre, Brasil). Haverá uma grande melhoria na conectividade entre os dois países, criando condições para transporte de mercadorias, de passageiros e principalmente impulsionando o desenvolvimento econômico e turístico da região. O percurso deve agilizar o comércio de latino-americanos do Cone Sul (Mercosul e Chile) que precisa colocar sua produção para exportação no mercado mundial, principalmente nos mercados da Ásia-Pacífico.



          Empresas concorrentes da Argentina, Chile, China, Coreia do Sul, Espanha, Brasil, Itália e Áustria, parceiros em consórcios e que possuem grandes chances de fazer o túnel. Já se manifestaram: Construtora Norberto Odebrecht SA, da Argentina; Hochtief Construção Ltda, Chile; China Railway Group Ltd., China; CSCEC-PAMAR SA, China; Comunicação Construction Company Ltd., da China; Sk Eng & Construction Ltd., Coreia do Sul; FCC Construção, da Espanha; China Railway Construction Ltd - Electroingeniería, China e Argentina; Camargo Correa & Panedile, Brasil e Argentina; Sinohydro Group Ltd., China;Hyundai Engineering & China Shandog & Coop Economic & Technical International.Group, China; Dragados-DYCASA-Techint-Besalco, Chile e Argentina; OHL SA, do Chile;Queiroz Galvão e José Cartellone Construções SA, Brasil e Argentina; Constructora OEA SA, Brasil; Impregilo SpA, Chile; IECSA-Benito Roggio SA e Ghella SpA, da Argentina e do Chile;Astaldi -Daewoo, Chile, Itália e Coreia do Sul; Skava Consulting, Chile; ACI-GYM-Copasa, Chile; Conpax SA, do Chile; Acciona Infraestructura SA, Chile e Strabag AG, Chile.


          As empresas brasileiras têm uma vantagem porque o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico poderia financiar a construção do túnel.









     

          


Nenhum comentário:

Postar um comentário