segunda-feira, 6 de junho de 2016

Viagens e lendas - Gauchito Gil - o Santo Profano

          O grande barato de nossas viagens não estão somente nos lugares que conhecemos, nos pratos típicos que saboreamos, mas acima de tudo se aprofundar nas culturas regionais. Em nossa última viagem para Argentina, após pernoitar na cidade de Corrientes aconteceu um imprevisto, pegamos uma rota no sentido contrário e fomos parar na cidade de Mercedes, na província de Corrientes mesmo, uma cidade com pouco mais de 35.000 habitantes, ficamos curiosos pelo fato de uma cidade pequena possuir um hotel a cada esquina. Descobrimos que sem querer fomos para na cidade berço de Gauchito Gil, ali, no dia 8 de janeiro se celebra uma grande procissão a cavalo, em sua homenagem, são cerca de 500 ginetes com suas melhores pilchas.




          Em Mercedes encontra-se o santuário “oficial” do Gauchito Gil, embora ele esteja por Argentina, ele é considerado o padroeiro dos motoristas e existem inúmeros santuários por todas a rotas argentinas.




          Gauchito Gil é um lendário personagem da cultura popular argentina. Seu nome completo era Antonio Mamerto Gil Núñez, e supostamente nasceu na área de Pagamento Ubre, hoje Mercedes, província de Corrientes, possivelmente na década de 1840, e morreu a 8 de janeiro de 1878. É considerado o mais proeminente santo gaúcho na Argentina, ele não está incluído na liturgia católica.

Existem três versões sobre a vida de Gauchito:

Primeira versão  (Principal)

          Antonio Gil teria sido um trabalhador gaúcho rural, adorador de São Morte, que teve um romance com uma viúva rica. O relacionamento o fez ganhar a inimizade dos irmãos da viúva e quando o chefe da polícia (que também era apaixonado pela viúva) descobriu sobre seu relacionamento, acusou-o de roubo e tentou matá-lo.

          Devido o perigo, Gil deixou a área e se alistou para a Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870) contra o Paraguai. Contudo, voltou para o exército para lutar na Guerra Civil argentina, teria sido recrutado pelo Partido Autonomista. Foi uma guerra de irmão contra irmão e Gauchito Gil estava cansado de lutar, por isso, decidiu pela deserção. Durante esse tempo, ele se tornou um bandido e adquiriu uma reputação como um Robin Hood por seus esforços para proteger e ajudar os necessitados.

          A deserção era um delito, Gauchito foi capturado e colocado de pé encostado a uma árvore, quando um policial estava indo para matá-lo, "Gauchito" Gil disse a ele: "Seu filho está muito doente. Se você orar e implorar-me para salvar o seu filho, eu prometo a você que ele vai viver. Se não, ele vai morrer..." Em seguida, o policial matou Gauchito Gil cortando sua garganta. Isso aconteceu no dia 08 de janeiro de 1878.

Quando os policiais voltaram para a sua aldeia, aquele que havia matado Gauchito Gil ficou sabendo que seu filho estava de fato muito doente. Muito assustado, o policial rezou a Gauchito Gil para seu filho que acabou ficando bom. Diz a lenda que Gauchito Gil havia curado o filho de seu assassino. Muito agradecido, o policial deu ao corpo de Gil um enterro apropriado, e construiu um santuário para Gauchito. Além disso, ele espalhou a todos sobre o milagre.


Segunda versão

          Outra versão relata que Gil era um abigeato que se uniu aos pobres. Recrutado para combater na Guerra da Tríplice Aliança, desertou e foi perseguido. Quando o capturaram, um comissário estava para lhe atirar, quando Gil lhe disse: "Não me mates. Vai chegar a prova de minha inocência." O comissário então respondeu: "Não irá te salvar." Foi então que Gauchito Gil disse: "Quando chegar a carta que prova minha inocência, receberá a notícia que seu filho está morrendo por causa de uma grave doença. 

          Reze para mim que ele se salvará, porque hoje está derramando o sangue de um inocente." Nessa época se acredita que invocar o sangue de um inocente era milagroso. Ao chegar em casa, o comissário encontrou seu filho doente, rezou por Gauchito Gil e seu filho se curou. Ele então retornou ao local onde estava o corpo e lhe concedeu um enterro.


Terceira versão

          Gauchito Gil dirigia um grupo autônomo que ia de povoado em povoado saqueando, roubando os ricos para dar aos pobres e matando todo liberal que cruzasse seu caminho. Era devoto de São Morte e dizia que era impossível ser assassinado à bala. Foi capturado por um grupo de homens do Partido Liberal e degolado perto de Mercedes Corrientes.









Nenhum comentário:

Postar um comentário