domingo, 24 de abril de 2016

Vallecito - San Juan - ARG - Difunta Correa

          Saímos de Mendoza-ARG com destino a La Rioja-ARG, seguimos a orientação do Antonio, proprietário de uma gomeria (borracharia) em Luján de Cuyo , pegamos a Ruta 40 sentido norte ,mas antes de San Juan pegamos as Rutas Nacionais 162, 295, 246. 20 e então entramos na 141, uma região um tanto desértica e de muita pobreza, ali vimos crianças vendendo pães na beira da estrada. Andamos alguns quilômetros e  fomos parar na região de Vallecito onde tem o Santuário de  La Difunta Correa.

          Todos os povos e países possuem seus mitos, suas lendas e seus personagens populares. A humanidade está repleta de histórias de homens e mulheres que em vida realizaram grandes feitos e que depois de mortos passam a ser venerados como santos e/ou heróis. No Brasil, temos o Padre Cícero e Antônio Conselheiro; no Chile, Santa Tereza de Los Andes, e assim por diante. N Argentina a personagem é María Antonia Deolinda Correa, mais conhecida como Defunta Correa.

          De acordo com os relatos, na década de 1840, a Argentina estava em uma terrível guerra civil. Os brancos descendentes de espanhóis estavam lutando contra os povos indígenas que ainda restavam no país. A jovem Deolinda Correa era casada com Baudilio Bustos, que foi recrutado para lutar na guerra. Como não queria ficar longe de seu marido, ela decidiu segui-lo. Deolinda Correa seguiu então o exército argentino durante algum tempo, levando seu bebê recém-nascido nos braços. Quando atravessava uma região de deserto próxima à província de San Juan, seus mantimentos e a água que levava acabaram. Ela então acabou morrendo de sede e exaustão. Algum tempo depois o seu corpo foi encontrado e, para espanto dos viajantes que o encontraram, o bebê ainda estava vivo, supostamente graças ao leite que o corpo da sua mãe continuou a produzir, mesmo depois da morte. Esse foi considerado o primeiro milagre da Defunta Correa e o local onde seu corpo foi encontrado recebeu um pequeno altar.

          Durante as décadas seguintes, esse lugar transformou-se num centro de peregrinação para devotos e acabou se tornando um grande santuário: o santuário de Vallecito. Os peregrinos e devotos lotam o santuário de Vallecito para pedir graças ou pagar promessas. No resto do país, a devoção à defunta Correa está muito presente ao longo das estradas, onde podemos encontrar pequenos santuários rodeados de oferendas, especialmente garrafas cheias de água.

          A Defunta Correa é uma figura religiosa da Argentina que possui centenas de milhares de devotos, pela sua história trágica e por seus milagres. O seu culto não é aceito pela Igreja Católica, que classifica a devoção do povo como superstição. Mas isso não impediu a propagação do culto em todo o país. Durante os fins de semana e especialmente na época da semana santa, Vallecito é visitado por muitos peregrinos que buscam favores da Defunta Correa ou procuram pagar promessas.





          Ali no local encontramos uma estrutura para atender aos peregrinos que surgem de todos os lados da Argentina, também encontramos um grupo de motociclistas da cidade de Mendoza que estavam fazendo um passeio de bate e volta, entre eles estava Carlos, um engenheiro que nos passou algumas orientações sobre o roteiro que estávamos fazendo. Entreguei a ele um adesivo de nosso motoclube e de imediato ele colocou em seu capacete HD.




















Nenhum comentário:

Postar um comentário