quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Tsunami em Chañaral - Chile

          Em 2013 realizei uma viagem ao Atacama, sozinho eu percorri 7.550 km saindo de Curitiba, indo a Mendoza, Santiago, Antofagasta, San Pedro de Atacam, Salta e Corrientes. O quinto dia de viagem foi punk, fui obrigado a andar 1.100 km e acabei parando numa cidade da qual passei a ter um carinho especial.

          Bom, sai de Santiago rumo a Copiapó, porém, ao chegar em Copiapó, passei em mais de 10 hotéis e não achei vaga em nenhum hotel, tomei então a decisão de ir para a Antofagasta, detalhe, já eram mais de 19 h e a distância a percorrer era de 560 km.

          Nessas horas aparecem nossos anjos, percorri mais de 100 km à noite, pelo GPS percebi que estava andando pela costa do Pacifico, depois de algum tempo tive que parar devido obras na pista,
havia uma fila enorme de carros e caminhões parados, comecei a fazer um corredor entre os carros até parar próximo a um ônibus, fiquei ali conversando com o motorista e com o cobrador, mencionei a eles que meu destino era Antofagasta, eles me disseram que eu era louco de querer ir adiante passando à noite pelo deserto, devido ao frio. Foi ai que apareceu um passageiro, um senhor com a idade um pouco acima da minha, perguntou porque eu não parava em Chañaral para dormir e então eu resolvi seguir seu conselho.

         Logo que a pista foi liberada eu apurei para não ficar atras dos caminhões, foram quase 8 km andando em estrada de terra e à noite, para ajudar, a moto deu uma pequena pane e falhou, um pequeno problema no bloqueador. Andei mais uns 15 km e então cheguei em Chañaral, passei no primeiro hotel, que parecia mais um bordel (rsrsrs), mas estava lotado, o segundo não tinha estacionamento para a moto, nem internet, eu precisava me comunicar com minha família para dizer que esta tudo bem. Já estava começando a ficar chateado, quando de repente, no sinaleiro que eu estava parado, o passageiro do ônibus apareceu e me indicou este hotel, ficava a duas quadras da rodoviária e ele se propôs a me acompanhar até lá.

          O hotel era simples, paguei 20.000 pesos chilenos pelo pernoite, barato, em comparação com a Rede Ibis, onde o pernoite na noite anterior tinha sido 170.000 pesos chilenos sem o desajuno (café da manhã). Quem me recepcionou no hotel foi a Dona Carmen, ele me disse que havia apenas um quarto, mas era necessário eu olhar antes para ver se eu iria ficar. O quarto ficava no fundo do hotel, era simples  mas bem limpo, a cama era forrada com uma colcha de crochê muito bem trabalhada.

          A surpresa veio no dia seguinte, descobri que o hotel estava cheio, o quarto em questão era de serviços e era onde a Dona Carmen dormia, fiquei sabendo que ela dormiu no chão da cozinha. Para alguns, o hotel faturou mais uma hospedagem, mas para mim, algo espiritual aconteceu ali, desde o momento em que fui abordado pelo passageiro do ônibus.

          Como todos sabem, em abril desse ano aconteceu um tremor de terra no Chile e infelizmente Chañaral foi seriamente afetada, o hotel em que fiquei hospedado, caminhões foram arrastados pelo tsunami, pessoas ficaram horas sobre o telhado aguardando ajuda.

          Não foi a primeira vez que isso aconteceu em Chañaral, no ano de 1922 um terremoto seguido de um tsunami com uma inundação causada pela dureza do inverno planalto de Chañaral, a tragédia começou quando com um intenso terremoto de 9 graus na escala Mercalli e magnitude de 8,5 graus na escala Richter ocorreu entre Antofagasta e Santiago. Trinta minutos mais tarde, um grande tsunami atingiu a costa de Chañaral, Caldera e outras regiões.

No circulo - local do hotel




          Para o próximo ano programei uma nova viagem ao Chile, quero passar por Chañaral e encontrar Dona Carmen, espero encontrá-la bem. 

VIDEOS















quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Travessia de Moto Paso de Jama com Neve na Cordilheira dos Andes

          Atravessando a Cordilheira dos Andes de moto com neve, muita calma nessa hora, o asfalto se torna muito escorregadio.




Algumas dicas na condução da sua moto, na neve ou no gelo, são:

• evitar acelerar e desacelerar bruscamente;
• evitar ultrapassagens;
• antecipar a necessidade de parada da moto, evitando o uso brusco dos freios;
• pilote devagar;
• manter uma distância segura do carro a sua frente;
• evitar andar na frente de caminhões e ônibus, pois estes precisam de uma distância de frenagem muito grande; e
• ficar atento às placas informativas, pois elas estão sempre nos locais onde é comum a presença de neve ou gelo na pista.

O vídeo é do nosso amigo motociclista: Matias Pasqualotto - quem quiser pode segui-lo no canal do You Tube.



terça-feira, 17 de novembro de 2015

sábado, 7 de novembro de 2015

Sexta-feira - Dia de Encontro em Curitiba

          Depois de um longo tempo de jejum, Curitiba volta a ter um espaço de encontro para os motociclistas nas sextas feiras à noite. O clima não colaborou muito, havia uma previsão de chuva e um pouco de frio, mas aos poucos o pessoal foi chegando e o ambiente foi se animando.

          O encontro será realizado todas as sextas-feiras a partir das 19h na Praça Nossa Senhora de Salete, em frente ao Palácio do Governo no Cívico de Curitiba,

          O organizador do evento Kao Bianchini, se mostrou satisfeito com o resultado, "Desde o fim do encontro no Pinheirão essa comissão vinha correndo atrás de um novo espaço, a Praça Nossa Senhora de Salete foi liberada a menos de uma semana, houve pouco tempo para a divulgação e assim mesmo conseguimos uma boa adesão". Ele também agradeceu o comparecimento da Cia GIRO da Policia Militar do Paraná, que se colocou a disposição para manter a segurança no local e também para promover o evento que eles irão realizar nesse sábado 07/11/2015 no Quartel central da PM na Avenida Getulio Vargas,